terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Amo a imperfeição dele, que de tão única se torna perfeita.

Um comentário:

blogava disse...

E o amor continua belo e sublime! :P
Beijos!